Retornar a Home
Conta Corrente
Cooperativa 3019
 
  RELATÓRIO DE ADMINISTRAÇÃO
 
  Senhores Associados,

Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Contábeis do exercício de 2010 da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados da Coelba Ltda - Sicoob Copelba, na forma da Legislação em vigor.
 
  1. Política Operacional
Em 03 de dezembro de 2010 o Sicoob Copelba completou 17 anos mantendo sua vocação de instituição voltada para fomentar o crédito para seu público alvo, os cooperados. A atuação junto aos seus cooperados se dá principalmente através da concessão de empréstimos e captação de depósitos.

2. Avaliação de Resultados
No exercício de 2010, o Sicoob Copelba obteve um resultado de R$ 130.073,27 R$110.562,28, representando um retorno semestral sobre o Patrimônio Líquido de 2,08%.

3. Ativos
Os recursos depositados na Centralização Financeira somaram R$ 340.647,29. Por sua vez a carteira de créditos representava R$ 2.190.509,74.

A carteira de crédito encontrava-se assim distribuída:

Carteira Crédito Pessoal         R$ 2.190.509,74     100%

Os Vinte Maiores Devedores representavam na data-base de 31/12/2010 o percentual de 16,41% da carteira, no montante de R$ 359.377,62.

4. Ativos
As captações, no total de R$ 20.390,44, apresentaram uma evolução em relação ao exercício anterior de 311,81%.

As captações encontravam-se assim distribuídas:

Depósitos à Vista         R$ 6.401,07     31,39%
Depósitos a Prazo         R$ 13.893,41     68,14%
Outros Depósitos         R$ 95,96     0,47%

Os Vinte Maiores Depositantes representavam na data-base de 31/12/2010 o percentual de 77,65% da captação, no montante de R$ 15.833,66.

5. Patrimônio de Referência
O Patrimônio de Referência do Sicoob Copelba era de R$ 2.086.727,42 R$2.389.028,00. O quadro de associados era composto por 1.271 Cooperados 1.394, havendo um acréscimo de 9,68% em relação ao exercício anterior.

6. Política de Crédito
A concessão de crédito está pautada em prévia análise do propenso tomador, havendo limites de alçadas pré-estabelecidos a serem observados e cumpridos, cercando ainda a Singular de todas as consultas cadastrais e com análise do Associado através do "rating" (avaliação por pontos), buscando assim garantir ao máximo a liquidez das operações.

O Sicoob Copelba adota a política de classificação de crédito de sua carteira de acordo com as diretrizes estabelecidas na Resolução CMN nº 2.682, havendo uma concentração de 97,09% nos níveis de "A" a "C".

7. Gerenciamento de Risco
A Gestão de Riscos é considerada um instrumento essencial para a otimização do uso do capital e para a seleção das melhores oportunidades de negócios, visando a obter a melhor relação risco x retorno para os nossos associados.

A estrutura de gerenciamento dos riscos está composta pelo Conselho de Administração, pela Diretoria-Executiva, pelo Agente de Controle Interno e de Risco (ACI), pelo Monitor de Controle Interno e de Risco e pela área de auditoria da Central. As estruturas completas para gerenciamento dos riscos estão disponíveis para acesso público na cooperativa.

I - Risco Operacional
A estrutura completa para gerenciamento do risco operacional da Cooperativa está disponível, para acesso público, nos seguintes endereços eletrônicos: www.sicoob-ba.com.br/publicacoes/relatorio.

O Sicoob Confederação é a entidade definida, na Política Institucional de Risco Operacional, como responsável pelo gerenciamento centralizado do Risco Operacional da Cooperativa.

O instrumento principal por meio do qual é avaliado o risco operacional da cooperativa é o Sistema de Controle Interno e Risco - SCIR, integrante do Manual de Controle Interno - MCI.

A estrutura, o gerenciamento e a execução da política de gerenciamento do risco operacional da cooperativa estão contidos no Manual de Gerenciamento do Risco Operacional - MRO.

As responsabilidades de cada órgão que compõe a estrutura de gerenciamento do risco operacional da cooperativa estão demonstradas na seqüência:

Atividades Responsabilidade
Política de gerenciamento do risco operacional 1 2 3 4 5
Definição, aprovação, instituição, atualização, revisão e disseminação da política, estabelecimento de responsabilidades, análise de relatórios, atuação para correção de deficiências, comunicação eficaz.      
Provimento, ao Agente de Controle Interno e de Risco, das condições adequadas de atuação, adoção de providências para mitigar o risco relacionado com as áreas da estrutura organizacional subordinada, interação tempestiva com o Agente e o Conselho de Administração.        
Elaboração da proposta; proposição de revisão e execução da política; identificação, avaliação e monitoramento do risco; documentação e armazenamento de informações sobre o risco; elaboração de relatórios para o Conselho de Administração; sugestões de atualizações da política; e avaliação do cumprimento de normativos aplicáveis.        
Monitoramento das ações do Agente de Controle Interno e de Risco, comunicação, ao Conselho de Administração, de incorreções na execução do gerenciamento de risco operacional.        
Execução de testes de avaliação da política.        

LEGENDA
1 Conselho de Administração
2 Diretoria-Executiva
3 Agente de Controle Interno e de Risco
4 Monitor de Controle Interno e de Risco
5 Área de Auditoria da Cooperativa Central de Crédito Central

II - Risco de Mercado
A estrutura completa para gerenciamento do risco de mercado da cooperativa está disponível para acesso público, no seguinte endereço eletrônico: www.sicoob-ba.com.br/publicacoes/relatorio.

A estrutura, o gerenciamento e a execução da política de gerenciamento do risco de mercado da cooperativa estão contidos no Manual de Gerenciamento do Risco de Mercado - MRM.

O Bancoob é a entidade definida, na Política Institucional de Gerenciamento de Risco, como responsável pelo gerenciamento centralizado do Risco de Mercado e Liquidez.

As responsabilidades de cada órgão que compõe a estrutura de gerenciamento do risco de mercado da cooperativa estão demonstradas na sequência:

Atividades Responsabilidade
Política de gerenciamento do risco de mercado 1 2 3 4 5
Definição, aprovação, instituição, atualização, revisão e disseminação da política, estabelecimento de responsabilidades, análise de relatórios, atuação para correção de deficiências, comunicação eficaz.      
Provimento - ao agente de Controle Interno e de Risco - das condições adequadas de atuação, adoção de providências para mitigar o risco relacionado com as áreas da estrutura organizacional subordinada, interação tempestiva com o agente e o Conselho de Administração.      
Elaboração da proposta; proposição de revisão e execução da política; identificação, avaliação e monitoramento do risco; documentação e armazenamento de informações sobre o risco; elaboração de relatórios para o Conselho de Administração; sugestões de atualizações da política; e avaliação do cumprimento de normativos aplicáveis.        
Monitoramento das ações do agente, comunicação - ao Conselho de Administração - de incorreções na execução do gerenciamento de risco de mercado.        
Execução de testes de avaliação da política.        

LEGENDA
1 Conselho de Administração
2 Diretoria-Executiva
3 Agente de Controle Interno e Risco
4 Monitor de Controle Interno e Risco
5 Área de Auditoria da Central

8. Governança Corporativa
Governança corporativa é o conjunto de mecanismos e controles, internos e externos, que permitem aos associados definir e assegurar a execução dos objetivos da cooperativa, garantindo a sua continuidade, os princípios cooperativistas ou, simplesmente, a adoção de boas práticas de gestão.

Nesse sentido, a administração da Cooperativa tem na assembléia geral, que é a reunião de todos os associados, o poder maior de decisão.

A gestão da Cooperativa está alicerçada em papéis definidos, com clara separação de funções. Cabem ao Conselho de Administração as decisões estratégicas e à Diretoria Executiva, a gestão dos negócios da Cooperativa no seu dia a dia.

A Cooperativa possui ainda um Agente de Controles Internos.

Os balanços da Cooperativa são auditados por auditor externo, que emite relatórios, levados ao conhecimento dos Conselhos e da Diretoria. Todos esses processos são acompanhados e fiscalizados pelo Banco Central do Brasil, órgão ao qual cabe a competência de fiscalizar a Cooperativa.

Tendo em vista o risco que envolve a intermediação financeira, a Cooperativa adota ferramentas de gestão. Para exemplificar, na concessão de crédito, a Cooperativa adota o Manual de Crédito, aprovado, como muitos outros manuais, pela confederação Sicoob Brasil e homologado pela Central.

Além do Estatuto Social, são adotados regimentos e regulamentos, entre os quais destacamos o Regimento Interno, o Regimento do Conselho de Administração, o Regimento do Conselho Fiscal, o Regulamento Eleitoral.

A Cooperativa adota procedimentos para cumprir todas as normas contábeis e fiscais. Foi retirado o restante do parágrafo pela Copelba.

Todos esses mecanismos de controle, além de necessários, são fundamentais para levar aos associados e à sociedade em geral a transparência da gestão e de todas as atividades desenvolvidas pela instituição.

9. Conselho Fiscal
Eleito a cada triênio na AGO, com mandato até a AGO de 2013, o Conselho Fiscal tem função complementar à do Conselho de Administração. Sua responsabilidade é verificar de forma sistemática os atos da administração da Cooperativa, bem como validar seus balancetes mensais e seu balanço patrimonial anual. Em 2010, todos os membros efetivos e suplentes do Conselho Fiscal participaram de um curso de formação ministrado pela Sicoob Central Bahia, com o objetivo de detalhar as responsabilidades dos conselheiros fiscais e as formas de exercê-las.

10. Código de Ética
Todos os integrantes da equipe do Sicoob Copelba aderiram, em 22 de setembro de 2010, por meio de compromisso firmado, ao Código de Ética e de Conduta Profissional proposto pelo Sicoob - Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil. A partir de então, todos os novos funcionários, ao ingressar na Cooperativa, assumem o mesmo compromisso.

11. Sistema de Ouvidoria
A Ouvidoria, constituída em 2007 representou um importante avanço a serviço dos cooperados, dispõe de diretor responsável pela área e de um Ouvidor. Atende às manifestações recebidas por meio do Sistema de Ouvidoria do Sicoob, composto por sistema tecnológico específico, atendimento via DDG 0800 e sítio na internet integrado com o sistema informatizado de ouvidoria tendo a atribuição de assegurar o cumprimento das normas relacionadas aos direitos dos usuários de nossos produtos, além de atuar como canal de comunicação com os nossos associados e integrantes das comunidades onde estamos presentes.

Agradecimentos

Agradecemos aos nossos Associados pela preferência e confiança e aos funcionários e colaboradores pela dedicação.
 
  SALVADOR (BA) 31 de dezembro de 2010.
 
 
Conselho de Administração e Diretoria
Aialdo de Oliveira Melo
Diretor Presidente
Diogenes Machado da Paixão
Diretor Administrativo
Dailton Pedreira Cerqueira
Diretor Operacional
Jacson Silva Rodrigues
Membro do Conselho ADM
Antonio Carlos Costa Ferreira
Membro do Conselho ADM
Antonio Gonzaga
Membro do Conselho ADM
Marcelo Souza Marinho
Membro do Conselho ADM
   
© 2002 SICCOB - COPELBA Ltda. .: Tels :. 3371-3113 / 3215 .: Fax :. 3371-5069